Semana 9

26 de fevereiro de 2016

Que termina comigo em estado febril, olhos lacrimejantes e nariz entupido. Viva as alergias! Viva a sinusite!

Tende misericórdia...

26 de fevereiro de 2016

Ontem, enquanto esperava para pagar, na fila do supermercado, a jovem que estava na caixa teria pouco mais de 18 anos e aquele devia ser, certamente, o seu primeiro emprego.
A senhora que estava à minha frente levava vários artigos para pesar. 

Caixa 1: colega, que couve é esta?
Caixa 2: isso é uma couve lombarda.

Caixa 1: colega, isto é batata doce, não é?
Cliente: sim, são batatas doces.

Caixa 1: colega, isto aqui o que é?
Eu: é um nabo, querida. Um nabo...


Não devem comer muitos legumes lá em casa. 

Que todos os dilemas da vida fossem estes

25 de fevereiro de 2016

Já o ano passado tive vontade de substituir os biquinis por fatos-de-banho, mas o marido não gosta de fatos-de-banho e lá me conformei com os biquinis, porque na verdade também não fiz grande esforço para procurar algo que me agradasse verdadeiramente.
Ontem, encontrei estes a metade do preço na Decenio online.
Parecem ser giros, mas o receio de comprar este tipo de artigos sem os experimentar foi mais forte e não arrisquei.
E vocês? Biquini ou fato-de-banho?
Será que o fato-de-banho tem de ser sinónimo de velhice?

Nunca vou ser magra

23 de fevereiro de 2016

Ah, e tal, planear a viagem...
Pois que eu sei que há monumentos, catedrais, catacumbas e mil e não sei quantas coisas para ver e visitar, mas os meus olhinhos só batem nisto.




Receitinha boa

23 de fevereiro de 2016


Ontem andava à procura de ideias para as minhas marmitas e encontrei a receita para estes hamburgueres maravilhosos.
Moldei-os num tamanho mais pequeno, porque não os ia comer no pão. Ficaram assim uma espécie de nuggets saudáveis. ☺
São ótimos! Experimentem! Receita DAQUI.
O Gabriel gostou, a Diana não (esta miúda tem que ser sempre do contra!). 

Do fim de semana

22 de fevereiro de 2016

Digamos que passou bem rápido, como todas as coisas boas.
Conhecemos mais um espaço giro em Lisboa. Granola e iorgurte, chás, cafés, chocolate quente, sandwiches e bolos variados, wi-fi gratuito, tem de tudo.
Já faz falta um café com este conceito na minha margem. Fica a ideia, vós, gente empreendedora desta terra. Sim, que fica difícil convencer o meu gentil esposo a deslocar-se ao outro lado do rio só para beber café.

Para não validarmos essa ideia de desperdício de combustível e tempo, rumámos ao Parque Urbano do Jamor, um local muito aprazível para fazer desporto, caminhar ou simplesmente relaxar em família.
Não estávamos à espera era que, depois do sol esplendoroso que brilhava na Estrela, apanhássemos nuvens cada vez mais densas para lá de Belém. Mas foi exatamente isso que aconteceu. Pouco depois destas fotos, caiu uma senhora carga de água e trovejou à grande.
Só para não nos esquecermos que ainda é Inverno, que a malta não pode ver uma nesga de sol que começa logo a sonhar com a Primavera. 

Da minha sexta feira

22 de fevereiro de 2016


Fiz o habitual caminho de volta a casa, mas com sol, convenhamos que é outra loiça.
Um pacote de bebida de aveia e uma broa de abóbora para enganar a fome e uma vista maravilhosa sobre Lisboa e o rio. Impossível cansar-me desta travessia, seja ela de carro ou de comboio.
E tarde em que me possa ver rodeada de bicos de pasteleiro a fazer swirls de ganache em pequenos muffins é uma tarde feliz.
Assinalo, porém, a tristeza de ter visto partir esta semana uma das minhas escritoras preferidas. Harper Lee deixou-nos. A obra, essa, perdurá, tenho a certeza, por muitas mais gerações de ávidos leitores.

Panquecas de aveia

21 de fevereiro de 2016

Hoje dormi nove horas, acordei com as forças retemperadas e senti-me inspirada para fazer panquecas. Procurei uma receita que levasse aveia e prometi que a partilharia. Aqui está. Simples, como se quer, que àquela hora da manhã não nos apetece pensar muito e desarrumar meia cozinha. Na receita refere 270ml de leite vegetal, mas eu tive de colocar mais, porque senão ficava tipo argamassa. Não sei se foi por ter usado a linhaça já moída, em vez das sementes, ou se por a aveia ser integral, mas devo ter colocado quase 400ml. Usei leite de soja com sabor a baunilha, porque não tinha de côco. Ficaram óptimas e fiquei sem fome toda a manhã. Acompanhei com mel, pera e canela e um galão. 

Em resumo:
170g de aveia
+- 400ml de leite vegetal
1 colher sopa de linhaça

Semana 8 ( a partir de agora vai ser assim, tudo muito escatológicamente organizado)

19 de fevereiro de 2016

Pois que foi uma semana com mais chuva que sol, mas sobretudo muito frio.
Lá fomos resgatar a manta para reforçar o calor do edredom, porque esta semana não havia meio dos meus pés aquecerem. Digo-vos, é impossível adormecer com os pés frios. Quando me sinto assim, lembro-me sempre de quem dorme na rua, sem edredom, às vezes sem mantas, muitas vezes apenas com cartões. Aflige-me. A sério. 
Em homenagem aos nossos 20 anos de relação, preparei um arroz de grelos (daqueles que amargam e que os miúdos detestam) com pastéis de bacalhau, que é um dos seus pratos preferidos.
Um destes dias fui almoçar à Maria do Correio, sítio giro e que serve comida ótima. Recomendo. 
E, para minha total perdição (era tão bom não ser gulosa!) abriu uma nova pastelaria/padaria aqui ao pé do trabalho. Lá vieram uns macarons para a malta fazer o gosto ao dedo.
Na quarta diz que foi Dia do Gato, por isso a pequena de quatro patas cá de casa teve direito a foto (não que eu não lhe tire imensas também nos outros dias). E chegámos a sexta-feira, com o ouvido quase restabelecido, o que é uma excelente notícia. 

Just an ordinary day

18 de fevereiro de 2016

Chego a casa, o miúdo foi ao treino, o marido foi à bola e a Diana está a fazer os trabalhos de casa.
Pouso o saco, a marmita, a mala e visto qualquer coisa confortável.
Reparo que o meu pai me deixou jarros lindos (obrigada, mãe!)
Ponho-os em água, acendo uma vela, sintonizo o rádio na smooth.
Vou ao quintal e corto uma couve pequena, mais umas folhas (as que as lagartas não devoraram, abomino lagartas, lesmas e caracóis...acho que já tinha dito).
Oiço o Rod Stewart cantar a "Night and Day" enquanto o cheirinho das couves acabadas de cortar, já no tacho a amigarem-se com o alho e com o azeite, me entra simpáticamente pelo nariz gelado adentro (este frio anda impossível).
E agora vou ver se as couves já se renderam ao refogado, para lhes juntar o feijão, enquanto canto o "Lean On Me".

♪♫ you just call on me brother, when you need a hand...♪♪♫♫

Love Actually

16 de fevereiro de 2016

Já se passaram vinte anos, desde aquele beijo que me roubaste junto ao poço, lá na escola, e em que voltei a sentir a tua mão na minha. Estava sol como hoje, mas mais calor, ou então éramos nós que tínhamos a chama da paixão a arder no coração e a saudosa juventude a correr-nos nas veias e não havia frio que nos chegasse.
Tenho saudades de ter 16 anos. Não há como negar. Tenho saudades de ti, com 17...
Não porque hoje é pior, mas porque foi tão bom.
Todos os planos pela frente, muitos sonhos, nada do que já construímos ainda materializado.
É verdade que o meu coração já não bate descompassado quando te vejo (a menos que tenhas feito algo que me tenha enervado solenemente, aí, amor, é garantido), já não se me aperta o peito, quase até doer físicamente, se não te vejo durante uns dias, ou me falta o ar quando as saudades apertam, porque sei que és meu, que voltas, que tens o teu lugar aqui, sempre à tua espera. 
Já reservei lugares para a próxima década. Vens?

Do fim de semana

15 de fevereiro de 2016

Na sexta, saí do trabalho mais cedo e fui ao Otorrino, apenas para ouvir que esta chatice toda que passei nas últimas semanas é um eczema alérgico do ouvido, que vou ter de aturar amiúde, nada a fazer.
De qualquer modo valeu a pena, pois trouxe as gotas que supostamente anulam o mau estar e da próxima vez que começar a sentir comichão, em vez de coçar que nem uma louca até isto infetar (como agora), ponho as gotas e supostamente isto começará a espaçar e a não ser tão penoso.
Podia ser asma! - disse ele. Ficou com a parte boa. Hum...ok...vou tentar ver as coisas por essa perspectiva. 
Plus, foi uma tarde desastrosa, a de sexta, no que diz respeito a bolos.
Experimentei o óleo Fula em spray e foi a desgraça dos meus seis mini-bolinhos.
Ficaram todos agarrados à forma. Uma frustração. Já me tinha acontecido igual com o brownie, mas não associei uma coisa à outra. Desta vez confirmei que só pode ser do spray.
Para a próxima vai de manteiguinha com o dedo, à moda antiga, e acabou.
Comprei dois batons efeito mate. Que tal?
A minha filha adorou o cor-de-rosa (ravishing rose), claro, mas eu gosto mais do castanho/nude (marvelous mocha).
No sábado eu e a Di saboreámos o único sobrevivente do desastre do spray, à hora do lanche. E estava mesmo bom.
Não sei se é a velhice, ou se foram estas duas semanas de grave privação do sono, por causa do ouvido, mas no sábado quase adormeci a ver a Sininho e ainda não eram 21:30. Sei que quase cambaleei para a casa de banho, lavei os dentes em piloto automático e "morri" entre os lençóis antes das 22h. Só acordei às 7h do dia seguinte e não me lembro de nada. O meu marido ainda saiu de casa e voltou às 2h e eu não dei conta. 
Tive um domingo muito bom. Uma manhã a dois, super calma. 2 filmes à tarde (este que aconselho a ver com pré-teens e teens, giro, giro, e este, que vi pela segunda vez, mas o Mathew Goode é irresistível e a história é fofinha).
A cereja no topo do bolo foi mesmo não ter de fazer jantar. O marido encarregou-se da tarefa e saiu-se muito bem. O robalo estava delicioso e as couves eram provenientes da nossa espécie de quintal.

Meh

11 de fevereiro de 2016

Aquele dia em que não dá vontade de pôr maquilhagem e em que as olheiras se adensam depois de várias noites a dormir mal, o buço e as sobrancelhas já precisam de ser arranjados e a barriga, já de si gorda por causa dos quatro quilos a mais que o Natal deixou em nós, ainda está mais inchada por causa do dito cujo e o cabelo apanha-se num rabo de cavalo porque não há paciência para o arranjar.
A roupa não nos favorece, propriamente, e parece que envelhecemos 10 anos da noite para o dia.
Estou num destes dias.

Água com sal

10 de fevereiro de 2016

Dizem que é remédio santo para a ansiedade. Mas não se bebe. Cheira-se, sente-se na pele.
Na terça-feira estava demasiado frio para me aventurar em mergulhos, mas fui ouvir as ondas e cheirar a maresia. E que bom que é. Gosto muito da praia no inverno.
As casinhas coloridas à beira do areal são a coisa mais amorosa que existe. Mesmo com a madeira a acusar as agressões dos elementos.

Os miúdos foram logo de manhã, bem cedo, para uma atividade de exterior com os Tições, pelo que eu e o marido aproveitámos bem as horas de silêncio e calmaria. Pequeno-almoço na cama para ele. Almoço simples, nas calmas, depois de regressarmos da praia. Eu caminhei e tirei fotografias, que é a minha onda e ele foi correr (ou "expurgar" os excessos do corpo, como ele tem por hábito referir).
Ainda deu tempo para conhecer mais um sítio giro para se beber um chocolate quente, ali para os lados de Cacilhas, na rua mais gira de Almada. 

Dias para respirar fundo

10 de fevereiro de 2016

Não ligamos patavina ao carnaval.
Mas como os miúdos têm 3 dias de pausa escolar, gosto sempre de passar dois dias com eles.
Vai daí, pus férias e fomos respirar ar puro até ao Prado, ali para os lados de Santarém.
Soube muito bem.
Ver a Bisa Zulmira, que está ótima, com as maleitas da idade mas com um sentido de humor ainda apurado, ver os tios e primos do pai (parte deles, pelo menos).
Havia festa na aldeia, pelo que vimos o rancho dançar, leilões, rifas, bolo da noiva, jogo do pau e tantas outras coisas que não se veem na cidade. 
E o cheiro dos eucaliptos pela manhã, depois de uma noite de chuva...é esvaziar os pulmões e inspirar profundamente. ♥
E não há nada mais reconfortante que o calor de uma lareira. Que pena não termos uma em casa...

Assim que chegámos, tomei um banho, dei um jeito às coisas e fiz cupcakes para receber os amigos Irina e Rafa e a minha sis também. 
Bolinho de coco com cobertura de ganache.

Do fim-de-semana

10 de fevereiro de 2016

A minha sobrinha completou 10 anos no sábado.
Dois dígitos. Fiz cupcakes de laranja com natas de coco e um laço para enfeitar.
Sempre inspirada pelo meu velhinho livro de receitas que nunca me deixa ficar mal. 

Recebi a minha chaleira, que a minha amiga Irina teve a amabilidade de trazer especialmente de Inglaterra para a minha cozinha. Agora beber chá passou a ser ainda mais prazeroso.
Finalmente, no sábado à noite, consegui convencer o marido (apesar da chuva) a ir ao Fabrica Coffee Roasters e não me decepcionei. Sítio giro e cappuccino, ainda melhor. 

Algo por que ansiar

4 de fevereiro de 2016

Há dias assim, em que acordamos da mesma maneira de sempre, cumprimos a dança da rotina com mais ou menos rigor mas a certa altura, uma ideia, uma palavra, um impulso...e muda tudo. Pode ser bom ou mau, é verdade. 
Hoje foi bom. De repente, uma pesquisa inocente, um desejo que se agiganta, um sonho que se materializa. 
E não vou sozinha. Pois não, mana?
E celebramos lá o seu aniversário. Vai ser mesmo especial. Espero que não chova...muito...


Das tecnologias (versão feminina)

1 de fevereiro de 2016

Fica aqui devidamente registado que dar um telefone a um rapaz não é a mesma coisa que dá-lo a uma rapariga. 
É isso mesmo. A Diana registou-se com sucesso no whatsapp e agora, durante o dia, eu na sala e ela no quarto, manda-me mensagens como: mãe, és fofinha. E muitos, mas mesmo muitos, emoticons.
(versão masculina aqui e aqui)

Mais queixinhas

1 de fevereiro de 2016

A verdade é que, desde o problema de pele com que comecei o ano, até à dor de ouvidos com que encerrei o mês de janeiro e dou início ao de fevereiro, este não tem sido um começo de 2016 muito auspicioso.
As dores, aparentemente, foram-se, mas continuo surda que nem uma porta, o que é bastante aflitivo, quer na rua, quer quando me deito para o lado do "ouvido bom" e sinto que o mundo deixa de existir à minha volta, porque o silêncio é quase ensurdecedor (perdoem-me o paradoxo)!
Sabem aquela sensação que temos quando estamos a levantar voo? Ou quando nos entra água para o ouvido na praia e não conseguimos que saia? É isso, 24/24.
De segunda-feira até ontem, emborquei um total de 14 Brufens, coloquei as gotas com antibiótico 3 vezes ao dia e continuo neste estado. 
Sim, uma perna partida era bem pior, mas fica o desabafo.

Adeus, Janeiro!

1 de fevereiro de 2016

Não foste grande coisa. Mas também tiveste coisas boas.
Venha Fevereiro.
Proudly designed by | MLEKOSHI PLAYGROUND |