A year older

24 de junho de 2016

Mais um ano passou. Cheguei aos 37. Ontem os meus filhos repetiram inúmeras vezes que não querem que eu morra. Espero honestamente que essa preocupação não advenha do meu aspeto exterior, porque acho que ainda disfarço bem, mas invariavelmente, a passagem do tempo deve causar-lhes ansiedade, porque acham que estou mais perto de...
Taditos. Acho que é normal as crianças passarem por isto. O medo de ficarem sem os pais. Do mal o menos, significa que gostam de nós. ♥
Já eu, abraço os meus pais e beijo-os com renovado sentimento de gratidão, porque o mesmo anseio me assola de vez em quando. Não muitas vezes, que a malta não se deve demorar em negatividades, correndo o risco de não desfrutar do agora.
Estas foram as imagens de parte do meu dia.



Pensamento do Dia

23 de junho de 2016

A mother discovers with great delight that one does not love one’s children just because they are one’s children but because of the friendship formed while raising them.” 
Gabriel Garcia Marquez


"Uma mãe descobre com grande satisfação que não se ama os filhos apenas porque são nossos filhos mas por causa da amizade que é formada enquanto os criamos."

A cabeça não serve só para ter cabelo

21 de junho de 2016

Ontem, 22h30, quatro almas acampadas à porta de casa, à espera de uma alma caridosa que lhes viesse abrir a porta. 
Gata a miar do lado de dentro, provavelmente indagando-se porque é que os seus humanos estavam há meia hora a conversar à porta e não entravam. 
Sim, fomos ao café do bairro petiscar qualquer coisa enquanto o pai via um jogo do Euro. Crianças cansaram-se de estar no café. Entreguei-lhes a chave e foram à vida deles. Crianças aparecem novamente, meia-hora depois, e perguntam se tínhamos outra chave.
Claro que NÃO. 
O resto podem imaginar. Ainda bem que temos algumas chaves distribuídas a gente de confiança e que nos puderam amavelmente vir acudir numa hora de necessidade.
Obrigada cunhado!

Que fique registado para memória futura

20 de junho de 2016

O meu filho desligou-me o telefone na cara a semana passada.
Porquê? Porque coloquei uma password para iniciar o computador. 
Surpresa!
E ele ligou-me para o trabalho a pedir a mesma.
E eu disse que não a revelava, nem sob tortura.


Ele negou reiteradamente esta minha acusação e diz que foi sem querer, mas eu não acredito.

Domingo

20 de junho de 2016

 Ao fim de vários dias na cidade luz o pai regressou. Mas eu creio que esta denominação é exacerbada. Convenhamos que não há luz como a nossa. ☺ E nós aproveitámos o sol e o calor, que finalmente estão a deixar para trás a timidez e vieram em força, numa tarde explêndida de praia.
Céu azul, areia nos pés, água fria mas calminha (só custa a entrar). Fim perfeito para qualquer fim-de-semana.


Children see, children do

20 de junho de 2016

Passar aos meus filhos o gosto por acampar, por usar o meu lenço e a minha farda, por testemunhar do amor de Deus tem sido muito bom.
Este sábado distribuímos águas na zona da Amora (se estava calor!) e ajudámos a divulgar a Compassionate Care ELA Portugal. Podem espreitar a página e perceber como podem ajudar esta associação. Quem não puder fazer donativos, pode sempre candidatar-se para fazer voluntariado. ♥ 

Como o almoço foi no parque, levei sandes e fiz este bolo de côco e cenoura (deste livro) que é bom, mas bom!


Semana sem o pai

20 de junho de 2016

Assim sendo, é certo e sabido que a minha cama se torna extremamente apelativa para as minhas crias.
O mais velho ao princípio disse que sim, que queria dormir comigo, mas quando chegou a hora H declinou e preferiu dormir na sua cama, já a mais nova rejubilou e ficou com as noites que lhe cabiam e com as do irmão, pelo que esta foi semana de pouco sono para mim.
Desgraçado daquele a quem ela calhar na rifa. Desde cotoveladas, pontapés a arranhões tive direito a tudo. Já para não mencionar que se destapa de 10 em 10 minutos. Volta marido!



Também foi a semana em que fiz um upgrade aos meus smoothies. Digam lá que não ficam lindinhos com estes efeitos especiais? A Diana gostou tanto que também pediu um para ela e adorou. 

Livros

16 de junho de 2016

Estou a atravessar uma espécie de deserto no que toca a leituras. Shame on me. Tenho lido, sempre que posso, o Anne of Ingleside, e estou quase a terminar, mas ainda faltam mais dois volumes para chegar ao fim da saga da ruiva mais querida de sempre.
Contudo, ando de olho nesta coleção maravilhosa. O ano passado comprei o "Jane Eyre", desta coleção, que devorei em menos de nada, mas quero muito ter todos os volumes. É uma coleção de clássicos, da Civilização Editora, com encadernação de capa dura, com um design simples mas muito bonito e o preço é brutal. Estes três estão na calha. "Persuação" e "Orgulho e Preconceito" da Jane Austen e o "Acaso" do Joseph Conrad. No total são 24 livros, but who's counting...

Aquilo que tomamos como certo

14 de junho de 2016

Desligar o alarme do telemóvel às 6 da manhã e lembrar-me que é feriado. Virar-me para o outro lado e colocar a minha mão entre o pescoço e o ombro do meu marido, que dorme pacificamente ao meu lado. Fechar os olhos, ouvir os pássaros lá fora, passar o pé no dorso da minha gata que dorme aos meus pés.
O cheiro a maresia, o azul do céu, a água salgada na pele, as sardinhas a assar na brasa para o almoço. A roupa lavada estendida lá fora. Ler um livro. Uma flor que nunca vi. O sorriso dos meus filhos.
Ter paz.
Tudo inestimável.

E lá disseram adeus...

14 de junho de 2016

Muitas lágrimas de despedida depois, termina mais um ano letivo.
Sendo que este tem a carga emocional acrescida de representar para ambos a saída da escola onde estão para uma nova.
Ele já sabe para onde vai, ela ainda não, pois pedimos transferência. Voltamos a passar pelo nervoso miudinho do impasse. Vai ser aceite? Não vai ser aceite? Qual o plano B? 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Proudly designed by | MLEKOSHI PLAYGROUND |