One of those moments...

29 de fevereiro de 2012

Tenho a felicidade de ir falando com a educadora da minha garota todos os dias, por trabalharmos na mesma escola. Hoje confidenciou-me, em jeito de "vá lá reflectir mas não se auto flagele", que a Di, por conversas que tem mantido com ela, construiu uma muito má imagem dela própria. Por coisas que ouve em relação à sua personalidade vincada, por comparações, pelo próprio dia-a-dia, por considerar que eu, a mãe, sou perfeita, tão perfeita que ela não consegue alcançar o mesmo patamar. 
Acha-se naturalmente propensa a fazer asneira, como se fosse uma coisa que lhe está por dentro da pele e à qual ela não consegue fugir. 
E sim, não me vou auto flagelar, mas que isto me dá que pensar, dá. E muito... 
Porque talvez tenha ajudado a montar esta imagem que ela tem de si e que os outros, que a vêem de fora, por sua vez, também lhe transmitem. E não era nada disto que eu queria. Não. Porque a minha filha, que tem muitos defeitos, como eu, também tem muitas características maravilhosas e que eu se calhar não lhas faço brilhar aos seus olhos tantas vezes quantas deveria. Porque o meu receio de que cresça torta talvez avive as minhas exigências em demasia e me tolde a necessidade de expor ao mundo o bom que é ser mãe desta miúda. Por tudo. Pela sua tenacidade, independência, criatividade, espontaneidade, carisma. Pela forma como nada é silencioso nem monótono nesta casa, quando ela está por perto. Pela forma como espevita o irmão ou como não nos deixa adormecer na nossa dormência. Faz asneiras, pois faz. Mas nada grave que não seja normal a uma criança fazer. É difícil educar e criar um ser que nos desafia e nos questiona a todas as horas. Não vou mentir. Mas adoro-a. E tudo o que ela é a distingue. E por tudo isso a amo mais do que à vida.
Por todos estes motivos não quero, de modo algum, que ela pense que não é suficientemente boa para agradar à sua mãe.
No meio das reflexões, reli este texto, que escrevi há 4 anos atrás, ainda ela era uma bebé de ano e meio.
É e continua a ser isto tudo. Não o inventei e imaginei. Tenho dois filhos, em quase tudo diferentes.
Só não é diferente o amor que lhes tenho. Igual, enorme, maior do que eu.



Diz que as matrículas para o 1º ano do 1º ciclo são já Abril

29 de fevereiro de 2012

GLUP!

[e por esta ordem de ideias, quer dizer que em Setembro já terei um filho no 3º ano. MEGA GLUP!]

Sunday mornings

26 de fevereiro de 2012

Fiz e decorei um bolo para o clube de desbravadores, já estendi uma máquina de roupa, limpei o pó à sala e aspirei. Até o Fish teve direito a ver o aquário limpo (coitado, já nadava em cocó, praticamente, a água estava verde).

Dica cinema

26 de fevereiro de 2012


Tenho pouco hábito de deambular pela RTP2 à noite, mas ontem foi lá que o meu zapping parou e acabei por ver um filme, em sueco ou dinamarquês, inesperadamente bom. Para quem ainda não viu, fica a sugestão. 
O tema é muito bom e a fotografia está maravilhosa.

Por do sol na praia

20 de fevereiro de 2012


E muitos palhaços a desfilar. Foi assim o nosso fim de tarde. 
Sabe bem sair cedo do trabalho e ainda ter tempo para estes momentos em família.
Não obstante, depois da minha disponibilidade para estar com eles e proporcionar-lhes um dia diferente, a reacção das criaturas ingratas foi: - não quero ir passear! quero é ir para casa brincar com as minhas pin y pons! - e eu quero ir ver televisão!
São uns amores estes miúdos (que vontade de os estrafegar!).
Já no destino, fizeram birra até ao momento em que comeram um gelado e o culminar de qualquer passeio é comer em qualquer lado que não em casa.
Jantamos numa pizzaria muito simpática. Aprovada.

Há muito tempo que não fazia encomenda de roupas na Vertbaudet

20 de fevereiro de 2012

Mas hoje cedi à vontade e mandei vir 4 peças. As despesas de envio ficavam grátis, as peças da nova colecção estão todas com desconto e ainda vou receber uma lancheira isotérmica que me parece ter um tamanho jeitoso e, melhor que tudo, tem um design neutro e dá para ambos usarem.


Aproveitamentos

19 de fevereiro de 2012

Ontem, ao jantar, sobraram frango assado e batatas fritas. Guardei e hoje fiz tortilha. Ficou óptima!


Agora vou arrumar a cozinha e mentalizar-me para ir dar banhos e enfiar as criaturas na cama. 
Para mim, amanhã, a alvorada é às 6:30.  o_0

Para o lanche

19 de fevereiro de 2012


Ficou muito seco para o meu gosto. É uma das falhas que me saltam mais à vista nos bolos feitos na bimby. Quase nenhum leva claras em castelo. Se nuns até passa, noutros sente-se claramente a falta que faz.
Mas está cor de rosa e, com molho de chocolate e um copo de leite vai muito bem.

Domingo

19 de fevereiro de 2012

Enquanto os meus filhos acalmam da loucura que foi o pós-almoço (gritaria, gargalhadas idiotas por tudo e por nada, saltar na minha cama [acto altamente proibido, mas ainda não lhes ficou gravado na memória de peixe], ela a andar de joelhos, fingindo ser um cão, enquanto o irmão a levava pelo avental, que achou por bem atar-lhe ao pescoço), pus um bolo no forno. 
Pink & Choc. Um nome chique que inventei para o bolo mármore que fiz e a cuja massa branca juntei corante cor de rosa. 
Já tratei de acalmar as dores de cabeça e de garganta que se apoderaram de mim com o Brufen da ordem, numa tentativa de salvar o que resta do meu bom humor para o resto do dia.
Diz-se que a inspiração pode vir das coisas mais insignificantes. Hoje comprei umas cuecas para o Gabe com uma citação que me fez sorrir. Pena estar tapada a maior parte do tempo.


"Não acredites em milagres, confia neles"

Diz que em Varsóvia estava mesmo friiiiiiiio

19 de fevereiro de 2012


video

Atestado pelo pai, que esteve lá 3 dias, esta semana.

Assunto sem grande importância (ou não...)

19 de fevereiro de 2012

Desde finais de Novembro que não chove (a sério). 
As temperaturas, esta semana, poderão chegar aos 19/20º. Ainda não chegámos ao fim de Fevereiro. 
O planeta está do avesso.

- às vezes, "porque não" ou "porque sim" são mesmo resposta

19 de fevereiro de 2012

Há manhãs mais difíceis. Se nuns dias é um anjo e colabora com tudo, noutras, nada lhe agrada e tudo lhe faz confusão. Para agravar a coisa começa logo nos primeiros minutos do dia a maldizer a sua pouca sorte e a pedinchar ir aqui ou ali, fazer isto ou aquilo.
Na grande maioria das vezes respondo com as frases acima e o pingente, do "alto" dos seus 5 anos mal medidos diz logo: - "porque não" não é resposta! porquê que não posso???
E desculpem-me os mais liberais, mas honestamente, se há alturas em que acho maravilhoso e desejável explicarmos o porquê de certas coisas aos nossos filhos, há outras em que têm de ter muita paciênciazinha e o "porque não" ou o "porque sim" vai ter de servir e não têm de refilar. Porquê?? Porque sim! Porque somos os pais e fim da conversa. E há coisas que não temos de justificar.

Tarde de sol

18 de fevereiro de 2012

Quiseram levar brinquedos mas, para não variar, não brincaram com nada, pois o que lhes ocupou o tempo e as ideias foi "escalar" até à exaustão as rochas do paredão. Eu já estava zonza e a prever desastres iminentes, mas felizmente correu tudo bem. 
O sol estava maravilhoso e arrependi-me de não ter levado uma toalhinha para me recostar a passar pelas brasas.



Estes pés já calçam o 29, mas são tão rechonchudos que parecem de bebé.


Repetiram os fatos do ano passado

17 de fevereiro de 2012



Estavam óptimos e não vi motivo para gastar dinheiro.
Foi um dia cansativo, mas eles divertiram-se.

16 anos a 16 de Fevereiro - casamos os anos

16 de fevereiro de 2012



Ontem foi dia de abrir uma excepção

16 de fevereiro de 2012


E dormiram comigo. Hoje não me escapei, de novo. Lá estão eles na nossa cama, a adormecer. Daqui a nada vou ter com eles. O pai já deve chegar esta madrugada. Afinal, já estamos "órfãos" desde 3ª feira.
Experimentaram os fatos do ano passado, para me certificar que tinham disfarces para amanhã. Tudo ok.
Fiz o jantar, comemos, deitei-os, arrumei a loiça na máquina, limpei a cozinha, dei uma varridela no chão e fui à rua despejar o lixo...não ter o meu par é muito cansativo. 
Dou total e merecido valor às mães solteiras, às divorciadas, viúvas...enfim, criar filhos e manter uma casa, sozinha, é obra.

Uma das minhas refeições favoritas

15 de fevereiro de 2012


Arroz de lombardo com chamuças (os pastéis de bacalhau são para a mai' nova que não gosta de picante).
Estava tãooooo bom!

Entre os corações que tenho tatuados, de você eu lembro mais...

15 de fevereiro de 2012




Há 16 anos, eu tinha exactamente 16 anos e foi a dia 16 de Fevereiro que nos ligámos para sempre. 
É quase uma vida, pois éramos dois miúdos. Os dias não são sempre fáceis, somos tão diferentes...mas o certo é que há toda uma história que liga cada pedaço do nosso passado até aos dias de hoje. É isso que é o amor. E sempre que no fim de uma fase pior o que restar for este sentimento de pertença, de singularidade. Enquanto for a tua presença que me torna um todo, coerente, completo, centrado, seguro. Sempre que o teu beijo, o calor do teu abraço, o teu cheiro for tudo o que preciso para saber que vale a pena, seguimos para o que o futuro nos reserva.

Ao jantar

14 de fevereiro de 2012

Digo ao Gabriel que ao mergulhar bocados gigantes de pão na sopa, vai ficar demasiado cheio e que a meio não vai conseguir comer mais.
Argumenta, dizendo que não, que come tudo e tal.
O óbvio acontece quando, minutos depois, se confessa atulhado.
A Diana riposta, certeira, como sempre:
- pois, Gabriel, a mãe tem sempre razão! - ao terminar a frase olha para o meu ar incrédulo.
- menos quando sou eu...quando sou eu tem razão às vezes. Outras não.

Um dos livros da minha adolescência

14 de fevereiro de 2012


É maravilhosamente simples. Um dia quero que os meus filhos o leiam.

A história dos meus dias num breve resumo

12 de fevereiro de 2012


As minhas duas actividades favoritas

12 de fevereiro de 2012


Cozinhar e fotografar.

Domingo caseiro

12 de fevereiro de 2012

Estão 12º lá fora. Nada melhor para animar a malta que as nossas cookies favoritas. 
A seguir vou "caçar" umas couves ao nosso canteiro e vou fazer uma sopa de feijão para o jantar.

1963 - 2012 [RIP]

12 de fevereiro de 2012


Há dias em que me é particularmente difícil lembrar. Porque me é difícil colocar-me no seu lugar. Porque estou demasiado cansada e saturada para jogos mentais. Porque só o som da minha voz, a repetir as mesmas frases, me fere os ouvidos.
Há dias em que o imenso amor maternal que lhes tenho consegue ser suplantado pela vontade enorme de os deitar na cama só para poder ter silêncio. 
A tarefa de educar é repetitiva e aborrecida. 
A outra parte da maternidade, a que todas gostamos de contar ao mundo, aquela que nos alimenta as emoções e o amor desmedido, nem sempre é a que vem ao de cima todos os dias. Os maus momentos intercalam-se com os bons e há dias em que os bons são tão poucos que  nos apetece desistir. Deixá-los ir na maré das vontades próprias, deixá-los...que se dane se se riem mesmo quando acabámos de os repreender, que se dane se o quarto está de pernas para o ar depois de 3457 avisos para arrumarem o que desarrumam quando terminam de brincar, que se dane se comem a fruta ou se tomam banho, que se dane se andam descalços e se constipam, que se dane se fizeram os trabalhos de casa, que se dane! Afinal, depois do esforço, no máximo ouvimos um lamento meio berrado:
- possas! também nunca nos deixas fazer nada!
- o quê??? chocolates à la carte?? mas é claro!
- playstation até à meia noite?? sem problemas.
A sério...
Isto de ter filhos é, no fundo, passar o testemunho do que temos, sabemos, aprendemos de melhor. E nem todos os dias nos apetece estar, ser, dar o nosso melhor. Apesar disso o que é certo e sabido é que, no futuro, receberemos na mesma medida em que demos e esta é uma responsabilidade que temos, de nos elevarmos acima do nosso cansaço. Hoje foi um dia cansativo. É como se andasse sistematicamente a pôr algo nos carris certos e esse algo se desviasse outras tantas vezes. E isto vale o que vale. Um desabafo. Amanhã é outro dia. Mas por via das dúvidas, são mesmo ossos que sustentam este corpinho e é mesmo sangue que corre nestas veias. É que às vezes pode correr-se o risco de achar que somos mesmo uma entidade heróica com super poderes.

Tarde de sábado

11 de fevereiro de 2012

Fomos a um sítio onde já não íamos há imenso tempo. A minha sobrinha almoçou connosco e passou cá a tarde, para deleite dos primos (sobretudo da prima).
Como o sol estava a convidar, fomos passear um pouco e sabe sempre bem. Ainda estivemos, quais penetras, encostados a uma das portas de madeira do convento a escutar um maravilhoso recital de piano e violino. Com o sol a bater na cara, olhos fechados e aquela música. Que sensação de paz.
Eles fartaram-se de brincar.





Uma Sereia

10 de fevereiro de 2012


Continuo a deliciar-me com os desenhos dela.

Bolo arco-íris (que não ficou nada disso)

10 de fevereiro de 2012


Filha:
- quando ser grande quero fazer bolos como a mãe!
Filho:
- vamos provar e depois vemos se a mãe passou de nível!
Cinco unânimes minutos depois:
- sim, senhor! um 9, um 10? acho que a mãezinha passou!


- Mãe, tira uma a fingir que vamos destruir o teu bolo!!!!
São crominhos, mas são meus.

Passei tanto tempo sem fazer bolos...

8 de fevereiro de 2012

E de repente tive de desenferrujar as mãos. A minha colega faz 29 anos e queria dois bolinhos. Um para o trabalho e outro para festejar com a família. Escolheu as cores et voilá!


The cake

5 de fevereiro de 2012

Já está. Pode parecer simples mas dá sempre uma trabalheira. Pela primeira vez, porque o meu cunhado não gosta de manteiga nos cremes, fiz a cobertura apenas com merengue. Estava com receio que não tivesse consistência suficiente para aguentar sem pingar, mas está a aguentar-se. 



Ei-los...

5 de fevereiro de 2012




Falta fazer a cobertura do grande.
Proudly designed by | MLEKOSHI PLAYGROUND |